Mel Duarte é uma das integrantes do Slam das Minas - SP - campeonato de poesia falada - que foi criado em 2016, inspirado no Slam das Minas - DF, com o objetivo de garantir uma vaga para mulheres na final do Slam BR - campeonato nacional que define um representante brasileiro para disputar o mundial de poesia falada em Paris, na França.

Ao lado de Carolina Peixoto, Pam Araújo e Luz Ribeiro, ela atua como mestre de cerimônias, produtora e poeta do slam, que é itinerante e acontece em diferentes espaços do Brasil, já tendo passado por locais como Belém (PA), Porto Alegre (RS), Paraty (RJ) e diferentes cidades do estado de São Paulo.

 

Sobre o slam

Slam é uma batalha de poesias, que chegou no Brasil em 2008 e desde 2012 é realizado um campeonato nacional para mandar um representante para a Copa Mundial de poesia, que acontece todo ano em Paris. Assim, em 2015, surgiu em Brasília o Slam das Minas, com o intuito de garantir uma vaga feminina para a batalha final, pois se entende que assim como os saraus, os slams ainda são espaços de maioria masculina. Depois de encontros e intercâmbios com as articuladoras e poetas do Distrito Federal decidiu-se criar um braço do Slam das Minas aqui em São Paulo, pois percebemos a necessidade de ampliar esse movimento também em outras cidades. As regras do Slam das Minas - SP segue os padrões dos demais: somente textos autorais de até 3 minutos; não pode usar figurino e nem objeto cênico; pode ler; júri é convocado na hora – notas são de 0 a 10; O único diferencial é que somente mulheres (hétero, lésbicas, bis, ou trans) podem batalhar.

A vencedora ganha prêmio em livros e uma vaga para a final do Slam das Minas – SP, garantindo uma vaga feminina para o Slam BR.

O Slam das Minas – SP nasceu em março de 2016, desde então realizamos edições oficiais sempre ao terceiro domingo de cada mês de forma itinerante e, algumas extras, a convite de eventos, espaços culturais, ONGs, Sesc e entre outros. Com o intuito de estimular e dar visibilidade a produção literária feminina em toda edição é  convidada uma escritora para fazer lançamento de seus trabalhos, além de encerrar o evento com uma atração musical, num pocket show. Para animar o evento o coletivo tem uma DJ, que traz repertório dos mais variados gêneros, somente com artistas femininas.